Portal Bahia Extremosul - Central de Notícias

publicado em 13/03/2019 às 07h20min

Por que mulheres estão deixando de tomar anticoncepcional?

A cada ano, o consumo diminui 5%.
compartilha nas redes sociais:
TodaTeen

A pílula anticoncepcional é um dos medicamentos mais conhecidos e usados no mundo todo. Porém, apesar de ser comum, nos últimos tempos, o seu consumo tem diminuído — principalmente entre as millennials (mulheres e meninas nascidas entre 1980 e 2000). Essa geração é conhecida por ser revolucionária e tem mudado a história do anticoncepcional. Mas por que as mulheres estão deixando de tomar anticoncepcional? Entenda! 

A cada ano, o consumo diminui 5%
A cada ano, o consumo diminui 5%
Foto: iStock

A pílula no Brasil e no mundo

A pílula anticoncepcional surgiu por volta da década de 60 e representou uma verdadeira revolução, afinal, ela trouxe a liberdade para as mulheres. Um passo grande para o empoderamento feminino. Porém, hoje em dia, existem cada vez mais mulheres contra ela. O motivo? São muitos. 

Mesmo sendo bem popular, em alguns países, como na Espanha, apenas 17% das mulheres continuam a tomá-la. Já no Reino Unido e na França, o índice é bem maior, chegando a 50%, de acordo com a Sociedade Espanhola de Contracepção. E por causa da geração de mulheres millennials, o uso da pílula tem diminuído cerca de 5% ao ano.

Em nosso Twitter, perguntamos às seguidoras sobre o uso de pílula. De acordo com a votação, 44% não faz o uso dela, ganhando dos 37% que fazem.

Por que as mulheres estão deixando de tomar anticoncepcional?

Efeitos colaterais

"As mulheres, hoje em dia, estão mais preocupadas com a saúde no geral e não apenas em métodos para evitar uma gravidez. É por esse motivo que muitas estão buscando alternativas mais saudáveis que não seja usando método contraceptivo hormonal e uso de pílulas", explica a ginecologista e sexóloga Erica Mantelli.

Mas como assim "mais preocupadas com a saúde"? É que apesar de prevenir a gravidez e ajudar em algumas doenças, a pílula anticoncepcional tem vários efeitos colaterais — dos mais leves aos mais sérios.

Acesso às informações

Como já dissemos, quando a pílula surgiu, ela foi vista como algo revolucionário para a vida das mulheres. Porém, conforme o tempo foi passando e as informações foram surgindo, muitas passaram a encará-la como algo de risco.

"Durante muitos anos, a indústria farmacêutica vendeu a ideia de que o anticoncepcional era realmente uma maravilha, que seria bom para a saúde da mulher, além de evitar uma gravidez indesejada também poderia ser usado sem nenhum problema. Porém, essa não é a verdade. A verdade é que acompanhando as pacientes, nós sabemos os grandes riscos do uso do anticoncepcional. Entre eles, estão: doenças cardiovasculares, risco de trombose e risco de acidente vascular cerebral", explica a especialista.

Feminismo

Já pode deixar aqui o seu "amém" para o feminismo, miga. O motivo? Ele nos ajudou — e muito! — a entender melhor nosso corpo, nossos direitos e a conscientizar sobre nossas escolhas. Mas também vai além disso: um anticoncepcional masculino estava sendo desenvolvido, mas foi suspenso por possuir efeitos secundários negativos. Mas pasmem: os efeitos são praticamente os mesmos que nós, mulheres, passamos todos os meses ao tomar a pílula. Machismo que chama, né?

Não é vegana

Não é apenas sobre o nosso corpo que estamos criando consciência. As causas animais têm ganhado cada vez mais força (ainda bem!), principalmente o veganismo (pessoas que retiram do seu cotidiano tudo que é relacionado ao sofrimento animal). E esse movimento também se voltou contra o uso da pílula, já que, para sua fabricação, eles utilizam animais para testes.

Tem outras opções!

Ainda bem, né? E não estamos falando apenas da camisinha! "Todo método anticonceptivo deve ser discutido com o médico para, de acordo com o estilo de vida e os hábitos de cada uma, bem como seus antecedentes pessoais, eles possam chegar qual é a melhor alternativa", aconselha a médica. Ou seja, nada de ir copiando o método da amiga,

"Porém, hoje em dia, o método que é bastante utilizado e bem seguro é o uso do dispositivo intrauterino não hormonal, o DIU. Hoje em dia, podemos contar com o DIU de Cobre — com duração de 10 anos, e o DIU de Cobre com Prata — com duração de até 5 anos. Esses dois podem ser inseridos e retirados no momento que a mulher desejar. Ele é um método seguro e o melhor de tudo: não interfere com os hormônios naturais da mulher e não vai interferir na libido (desejo sexual), não engorda, não leva a outras alterações e não aumenta riscos de doenças", lembra Erica.

Anticoncepcional Consumo Diminuição

Veja também MULHER

Chuva alaga ruas e causa prejuízos e transtornos em Caravelas.

Chuva alaga ruas e causa prejuízos e transtornos em Caravelas.

Policiais da 88ª CIPM prende indivíduo com arma em Caravelas

Policiais da 88ª CIPM prende indivíduo com arma em Caravelas

Bahia inicia projeto de integração da atividade pecuária com plantio florestal

Bahia inicia projeto de integração da atividade pecuária com plantio florestal

Secretaria de Saúde moderniza sistema de distribuição de gás medicinal

Secretaria de Saúde moderniza sistema de distribuição de gás medicinal

Últimas publicações