Portal Bahia Extremosul - Central de Notícias

publicado em 10/08/2018 às 09h31min

Brasil tem 6 casos de estupro e 25 de violência doméstica por hora

Número de ocorrências de abuso aumentou 8,4% no ano passado em relação a 2016; crime ainda é subnotificado, alertam especialistas.
compartilha nas redes sociais:
Marco Antônio Carvalho

O Brasil registrou 60.018 estupros (6 casos por hora) e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (25 casos por hora) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública coletou dos Estados dados dessa natureza. 

Especialistas do Fórum acreditam que ambos os casos estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas, como treinamento adequado de policiais em delegacias especializadas. "É um dos piores dados no que diz respeito à qualidade, por causa da subnotificação, e isso ocorre não só no Brasil. A mulher tem medo, tem vergonha", diz a diretora executiva do Fórum, Samira Bueno. 

Foto: Ilustrativa
Ela lembra que a Pesquisa Nacional de Vitimização, de 2012, estimava que entre 7,5% e 10% desses crimes chegavam a ser denunciados em delegacia. "Então, 60 mil é pouco? A situação é muito pior do que parece."

Feminicídios. Nos 12 meses do ano passado, foram registrados 4.539 homicídios de mulheres (alta de 6,1% em relação a 2016), dos quais 1.133 foram considerados feminicídio pela polícia. A lei prevê que, quando o crime ocorrer em uma situação de violência doméstica e familiar ou por menosprezo ou discriminação à condição de mulher, deve ser registrado como feminicídio, o que pode aumentar a pena final do criminoso condenado pela Justiça em até um terço do tempo.

O Fórum acredita que o número de feminicídios registrados poderia ser ainda maior. A diferença, afirma, se dá em razão do pouco tempo da lei implementada - data de 2015 - e de dificuldades da polícia em reconhecer as situações de vulnerabilidade da mulher.

O diretor-presidente do Fórum, o sociólogo Renato Sérgio de Lima, lembrou do caso recente registrado em Guarapuava, no interior do Paraná, cuja acusação aponta que o professor Luis Carlos Manvailer foi o responsável por atirar a advogada Tatiane Spitzner da sacada do apartamento do casal, matando-a na hora. "A violência doméstica precisa ser reconhecida como um problema público. As câmeras estavam lá para monitorar o motoboy que entrega a pizza, mas não para intervir em casos como esse?"

A defesa de Manvailer nega o crime. Ele está preso aguardando o andamento do processo, que poderá levá-lo a júri popular.

Cidades Brasil Estupro Violência doméstica

Veja também CATEGORIA GERAL

Casal suspeito de espancar garoto de 3 anos em Porto Seguro tem prisão preventiva decretada

Casal suspeito de espancar garoto de 3 anos em Porto Seguro tem prisão preventiva decretada

TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro

TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro

PF prende servidores do Ministério do Trabalho e do Sine

PF prende servidores do Ministério do Trabalho e do Sine

Brasil antecipa cumprimento de meta de redução de carbono

Brasil antecipa cumprimento de meta de redução de carbono

Últimas publicações